Quarta, 24 Maio 2017

SINDESEI/DF e as principais entidades de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) enviam manifesto ao Senado em defesa da aprovação da Reforma Trabalhista. Destaque

O SINDESEI-DF, em conjunto com outras expressivas associações e sindicatos do setor de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC), enviou a todos os senadores mensagem defendendo a aprovação da Reforma Trabalhista (PLC nº 38/2017), considerando-a essencial para a inclusão do trabalhador brasileiro na Era Digital.

A seguir, a íntegra da mensagem encaminhada aos senadores e senadoras.

A Era da Economia Digital, baseada no conhecimento e nos dados, vem se intensificando e produzindo transformações na oferta de bens e serviços, tangíveis e intangíveis. As ferramentas computacionais de hardware e software se tornam companhias inseparáveis nas nossas vidas e a Internet o grande espaço de troca e colaboração entre indivíduos e empresas com velocidade até então inimagináveis.

Diante deste cenário, há o surgimento de um novo trabalhador com perfil diverso do trabalhador da era industrial, orientado pela consecução de objetivos ao invés de rotinas fixas e repetitivas e cujas atividades são centradas na criação de soluções para a resolução de problemas. O trabalho, neste cenário, também deixa de estar adstrito a um ambiente físico determinado. O novo profissional não vê jornadas de trabalho diferenciadas como um problema, mas almeja também flexibilidade e equilíbrio entre profissão e vida pessoal.

O atendimento dessas expectativas requer a aprovação das mudanças propostas no Projeto de Lei da Câmara nº 38/2017, que garantem relações contratuais saudáveis entre trabalhador e empresa e atendem aos anseios dos profissionais do futuro. A competitividade do Brasil depende da redução do ônus sobre o trabalho e das medidas modernizantes que são transformacionais para incluir a atuação desse trabalhador do conhecimento em nossa CLT, tais como:

a) O fortalecimento da segurança jurídica no Brasil, fundamental para a retomada dos investimentos e do empreendedorismo para a geração de renda e empregos
b) O fortalecimento dos acordos e convenções coletivas;
c) O reconhecimento da autonomia negocial de trabalhadores qualificados e bem remunerados;
d) A normatização do Teletrabalho (também designado de trabalho remoto) e Home Office para garantia de segurança jurídica nesta modalidade laboral;
e) A instituição do contrato de trabalho por prazo intermitente;
f) A plena e definitiva quitação dos direitos oriundos da relação laboral, com segurança jurídica às partes envolvidas, por meio do fortalecimento dos sindicatos e do Ministério do Trabalho.

Entendemos, assim, que o momento é oportuno e propugnamos aos nobres Senadores pela rápida deliberação do Projeto de Lei aprovado pela Câmara dos Deputados a fim de que tenhamos um marco legal que traga maior segurança jurídica e que reduza a litigiosidade exacerbada, evidenciada por 4,0 milhões de novos processos por ano, 3,9 milhões de processos em estoque, e uma despesa de R$ 13,1 bilhões com a Justiça do Trabalho, recursos estes que já geram R$ 24,9 bilhões de reservas de balanço nas 36 maiores empresas de capital aberto.

Enfatizamos, por fim, nosso engajamento em prol do melhor interesse do Brasil e nossa pronta atuação para defender a segurança jurídica e o robustecimento do ambiente de negócios para que a confiança dos agentes econômicos se materialize em crescimento!

Assinam:
• ABES – Associação Brasileira das Empresas de Software
• Abranet – Associação Brasileira de Internet
• Acate – Associação Catarinense de Empresas de Tecnologia
• Assespro Nacional – Federação das Associações das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação
• Brasscom – Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação
• Fenainfo – Federação Nacional das Empresas de Informática
• Internet Sul - Associação dos Provedores de Serviços e Informações da Internet
• Seinepe – Sindicato das Empresas de Internet do Estado de Pernambuco
• Seinergs – Sindicato das Empresas de Internet do Estado do Rio Grande do Sul
• Seinesba – Sindicato das Empresas de Internet do Estado da Bahia
• Seinesp – Sindicato das Empresas de Internet do Estado de São Paulo
• Seprosp – Sindicato das Empresas de Processamento de Dados do Estado de São Paulo
• Sindesei-DF – Sindicato das Empresas de Serviços de Informática do Distrito Federal
• Seprorgs – Sindicato das Empresas de Informática do Rio Grande do Sul



 

 

Fonte: Fenainfo

About Author

Itens relacionados (por tag)

  • Câmara Temática de Tecnologia se reúne para debate de ações futuras

    Membros da Câmara de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) da Fecomércio-DF se reuniram na tarde desta quarta-feira (10) para alinhar futuras ações do setor. O presidente da Fecomércio-DF, Adelmir Santana, fez a abertura dos trabalhos e ressaltou a importância do segmento. “Nosso objetivo é focar no futuro por meio da Câmara, tendo em vista que hoje tudo passa pela questão tecnológica. Se todos estivermos juntos, certamente trará sinergia para um campo fértil para todos”, apontou Adelmir.

    O presidente da TIC, Marco Túlio Chaparro, conduziu o encontro, que contou com a presença de empresários e presidentes de sindicatos de diversos setores, como o coordenador regional da Câmara Americana de Comércio Brasil-Estados Unidos (Amcham) Pedro Costa; a diretora de relações exteriores da plataforma internacional de desenvolvimento pessoal e profissional de jovens estudantes (AIESEC), Amynah Leil; o presidente da plataforma internacional de desenvolvimento pessoal e profissional de jovens estudantes (AIESEC), Jonathan Volpato; o superintendente do Sindicato das Empresas de Serviços de Informática do Distrito Federal (SINDESEI/DF), Tiago Reis; a gerente do Sebrae-DF, Aparecida Petit; o vice-presidente do Centro de Tecnologia e Software de Brasília (Tecsoft), Djalma Petit; o representante da Fibra, Clístones Lívio Pedreira; o secretário geral da OAB-DF, Flávio Pessino; o presidente da Associação das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação (Assespro-DF), Christian Tadeu; o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços de Informática do Distrito Federal (SINDESEI/DF), Charles Dickens e o assessor parlamentar da Fecomércio, Athayde Passos da Hora.

    Fonte: Comunicação Fecomércio/DF

    • 1-Reuniao-Camara-TIC
    • 2-Reuniao-Camara-TIC
    • Reunio-da-Cmara-de-TIC_10-05-2017-2541
    • Reunio-da-Cmara-de-TIC_10-05-2017-2567
    • Reunio-da-Cmara-de-TIC_10-05-2017-2597
    • Reunio-da-Cmara-de-TIC_10-05-2017-2606
    • Reunio-da-Cmara-de-TIC_10-05-2017-2647
    • Reunio-da-Cmara-de-TIC_10-05-2017-2674
    • Reunio-da-Cmara-de-TIC_10-05-2017-2711
    • Reunio-da-Cmara-de-TIC_10-05-2017-2718
    • Reunio-da-Cmara-de-TIC_10-05-2017-2730
    • Reunio-da-Cmara-de-TIC_10-05-2017-2739
    • Reunio-da-Cmara-de-TIC_10-05-2017-2750
    • Reunio-da-Cmara-de-TIC_10-05-2017-2762
    • Reunio-da-Cmara-de-TIC_10-05-2017-2767

    Simple Image Gallery Extended

  • Presidente do SINDESEI/DF é Nomeado em Comitê do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços.

    O Presidente do SINDESEI-DF, Charles Dickens, foi nomeado representante titular da Confederação Nacional do Comércio, Bens, Serviços e Turismo (CNC) no Comitê Temático de Tecnologia e Inovação do Fórum Permanente das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte – FPMPE, da Secretária Especial da Micro e Pequena Empresa do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, que iniciará os trabalhos ainda este mês.

    A finalidade do Comitê é  identificar, analisar e propor medidas para acesso a novas tecnologias e inovação de processos, produtos e serviços das microempresas e empresas de pequenas empresas. As reuniões serão bimestrais e terá mandato de 2 anos.

  • Modernização das leis trabalhistas deve gerar emprego, renda e formalização do mercado.

    Após aprovação em plenário, Projeto de Lei segue para apreciação do Senado Federal “O Brasil se encaminha para uma nova dinâmica econômica, focada em importantes aumentos da produtividade e de eficiência, estagnadas nas últimas décadas. Desse modo, a renda e emprego dos brasileiros poderão crescer de maneira sustentada e contínua nos próximos anos, sem provocar pressões no tecido produtivo”, avalia o presidente da Fecomércio SC, Bruno Breithaupt, após a aprovação do projeto de lei da Reforma Trabalhista (PL 6787/16). O Plenário da Câmara dos Deputados concluiu a votação do texto que altera a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) na madrugada desta quinta-feira (27) e o PL segue para a apreciação do Senado Federal. Entre as principais medidas estão a prevalência do acordo sobre a lei e regras para o trabalho intermitente.

    A proposta aprovada na forma do substitutivo do relator, deputado Rogério Marinho, estabelece que a convenção coletiva e o acordo coletivo de trabalho prevalecerão sobre a lei em quase 40 pontos diferentes, como jornada de trabalho, banco de horas anual, intervalo mínimo de alimentação de meia hora, teletrabalho, regime de sobreaviso e trabalho intermitente. Poderão ser negociados ainda o enquadramento do grau de insalubridade e a prorrogação de jornada em ambientes insalubres, sem licença prévia do Ministério do Trabalho.

    Em negociações sobre redução de salários ou de jornada deverá haver cláusula prevendo a proteção dos empregados contra demissão durante o prazo de vigência do acordo. Também não poderão ser reduzidas ou suprimidos dispositivos como os garantidos pela

    Constituição e aqueles da CLT relativos aos direitos de mulheres no ambiente de trabalho.

    O texto aprovado prevê que a prestação de serviços formais possa ser realizado em dias e horários alternados, recebendo pelas horas trabalhadas. O trabalho deverá ser firmado por escrito e conter o valor da hora de serviço.

    A única mudança feita pelo Plenário ocorreu com aprovação de emenda da deputada Gorete Pereira (PR-CE) para incluir no texto a dispensa para as entidades filantrópicas do oferecimento de garantia ou de bens à penhora em causas trabalhistas. A dispensa se estende àqueles que compuseram a diretoria dessas instituições.

    A Federação considera a aprovação da modernização da CLT bastante positiva para o país, visto que a atual legislação trabalhista brasileira data da década de 1940 e reflete uma realidade econômica diferente da atual. A terceirização, por exemplo, que já ocorre em larga escala em toda a economia moderna, não constava na legislação trabalhista, acarretando no aumento da informalidade e do desemprego.

     

    fonte: FECOMÉRCIO/SC